Perdi 1 ano e meio de transição porque passei chapinha durante ela: mesmo depois do big chop, continuou liso

"Eu decidi passar pela transição porque não me identificava mais com a pessoa que eu via no espelho - precisava buscar minha identidade, quem eu era de verdade. Para você ter ideia, eu não fazia a mínima noção de como era meu cabelo real, já que eu alisava desde os 10 anos de idade (ou seja, alisei durante 20 anos)!

Quando comecei, eu não sabia desses termos (dupla texturização, big chop…), mas aos poucos fui me familiarizando. Tinha medo do Big Chop, mais pela questão de estar lidando com o desconhecido. Escolhi passar a chapinha nos fios durante a fase mais difícil (que é a das duas texturas), justamente por causa desse medo. Eu não me identifiquei com nenhuma texturização, achava os cachos super artificiais, tipo de boneca. Com a chapinha, pelo menos, eu achava que era uma textura só, menos estranha.

  • A Sara acabou ficando 1 ano e meio A MAIS na transição

    A Sara acabou ficando 1 ano e meio A MAIS na transição

  • Pra disfarçar a parte lisa, a Sara botava ela pra cima

    Pra disfarçar a parte lisa, a Sara botava ela pra cima

  • Agora a Sara conseguiu os cachinhos que sempre quis

    Agora a Sara conseguiu os cachinhos que sempre quis

  • O blackinho cacheado dela é só sucesso

    O blackinho cacheado dela é só sucesso

  • A Sara acabou ficando 1 ano e meio A MAIS na transição
  • Pra disfarçar a parte lisa, a Sara botava ela pra cima
  • Agora a Sara conseguiu os cachinhos que sempre quis
  • O blackinho cacheado dela é só sucesso

Foi uma surpresa quando cortei a segunda vez e meu cabelo tava praticamente liso na frente. Foi muito complicado. Eu fiquei triste e o primeiro pensamento é que aquela parte nunca ia cachear. Tentei texturizar apenas nessa parte, mas ficava terrível, porque ficava diferente do restante. Na parte de trás, até hoje (depois de mais de um ano depois do big chop) encontro partes danificadas. É onde há mais dificuldade de definição. Usei a parte da frente presa por um longo tempo, o que me deixava bem frustrada. Foi uma luta e, em certas partes, ainda é.

Pra resgatar o meu cabelo natural e diminuir os danos, eu cuidei bastante. O tratamento foi: cronograma capilar, umectação e muita tesoura. Sim, tive que perder o medo e cortar várias vezes. Haja paciência rs. Hoje tô em uma fase menos complicada. Ele já define muito - não como atrás, mas nem se compara com antes.

Se eu fosse passar novamente pela transição capilar, com toda certeza eu faria um Big Chop no começo, mas entendo que nem todas tão preparadas (assim como eu não tava na minha). Mas eu digo para evitar a chapinha e escova de todas as formas! Tente outras alternativas - a escova e a prancha fizeram com que minha transição durasse um ano e meio a mais que o normal. Então, amigas, entrem nessa de corpo e alma e olhem para elas como se estivessem olhando para as prateleiras de alisante".

Sara Teixeira - 30 anos

Vitória da Conquista, Bahia.

Publicado por: Carolina Prado

Publicado em: Quarta-feira 06 de setembro de 2017 - 17h30

Destaques da Semana

Escolha o seu humor do dia e veja as dicas para ficar sempre pronta!

  • Me Achando
  • De Boas
  • Precisando de uma força
  • Tensa

#GarnierBrasil

GarnierBrasil
Ir para o topo